O QUE ACHAMOS DE :: UM TIO QUASE PERFEITO

Marcus Majella (Vai que Cola) é Tony, um cara preguiçoso metido a malandro que apronta e inventa de todas, dentre seus disfarces ele é pastor ou então estátua viva nas ruas do Rio de Janeiro. Mora junto com sua mãe Cecília (Ana Lucia Torre) que também vive de golpes e armações. Após serem despejados da casa onde moram, os dois sem aviso algum vão para a casa de Ângela (Letícia Isnard), que é irmã de Tony e que vive junto com seus três filhos. Devido a uma viagem de Ângela a trabalho, Tony engana a irmã para ficar na casa, mas juntos eles terão que dar conta das três crianças sozinhos.

Marcus Majella é pura piada, é engraçado e consegue tirar algumas risadas do público com seu jeito descontraído, construiu de forma bem sutil uma relação amorosa com as crianças, mas o papel da vez fica para Ana Lucia Torre, que agrada com suas piadas e seu jeito toda maluca de ser, fazendo dela uma avó bem sarrista e ajudando até os netos nos trambiques. 
As crianças o destaque é para Patrícia (Julia Svacinna), por ser a irmã mais velha, ela é quem acaba sendo a mais adulta entre o tio e a avó, é ela que tenta de qualquer modo colocar ordem na casa enquanto o tio apronta todas e com seu jeito maleável contornar as situações.
Ângela é uma mãe estilo classe média, que infelizmente por viver sozinha com eles, se vê sem opções e acaba deixando os filhos de lado por causa do emprego. O pai das crianças é um político, não faz questão e pouco se importa com os filhos, deixando tudo na mão da mãe.


A trilha sonora é uma surpresa, já que ela é composta mais com músicas internacionais do que nacionais. O elenco poderia ter sido muito mais explorado, alguns personagens acabaram sendo muito artificiais nas piadas e em alguns diálogos, pareciam forçar algo para prolongar o enredo e isso foi um grande erro que acabou com a magia do filme, estrutura é o que não faltou, já que havia potencial para tornar dele um grande sucesso. 

O filme consegue trazer uma história leve, que pode ser vista por crianças e adultos tranquilamente, mas peca não trazendo muitas novidades, tornando algumas coisas repetitivas e fazendo o filme ser fácil de imaginar o final. 


Share on Google Plus

About Dani Baquette

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário