O QUE ACHAMOS DE :: COLOSSAL


Em Nova York, Gloria (Anne Hathaway) vive com seu namorado Tim (Dan Stevens) passando boa parte dos seus dias e noites bebendo com os amigos sem se preocupar com nada. Chega uma hora que Tim cansa de tudo e dá um basta, terminando o relacionamento com ela, fazendo com que Gloria volte para a sua cidade natal morar em uma casa vazia que é de seus pais. Chegando ao local, ele revê um antigo amigo dos tempos de primário, o Oscar (Jason Sudeikis), que a oferece um emprego como garçonete em seu bar para então ela poder se reestruturar novamente. Como um bom amigo, ele oferece todo o suporte com os móveis e decoração da casa também. 


Quando um misterioso monstro ataca Seul, Gloria logo percebe que seus movimentos estão conectados a ele, fazendo assim ela mostrar a Oscar e aos seus amigos o que está acontecendo e a ligação entre eles, porém o Oscar também está conectado ao monstro e ele usa isso para poder controlar Gloria, fazendo com que ele queira destruir Seul e os habitantes caso Gloria não fizer o que ele quer que ela faça.

Colossal é um filme meio que “sem pé nem cabeça” com uma história sem sentido e personagens que não te fazem ter empatia. Gloria é uma tremenda alcoólatra que só sabe beber o filme todo e não traz nada de útil com isso. Oscar é um tipo de cara que no começo parece ser todo certinho e dar uma de coitado, mas na verdade ele é perverso e muito estranho. A todo instante você pensa que o filme vai trazer algum significado mais profundo e te fazer ficar surpreso, mas isso não acontece. Não há uma informação moral ou mesmo uma linha de fundo no filme. Colossal não é um filme sobre monstros e infelizmente também não é uma comédia como aparenta no trailer.








Share on Google Plus

About Dani Baquette

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário