O QUE ACHAMOS DE:: Girlboss

Girlboss é a nova comédia original da Netflix, livremente baseada na autobiografia homônima de Sophia Amorouso, a série de 13 episódios, protagonizada pro Britt Robertson e produzida por Kay Cannon acompanha a vida da jovem que conseguiu construir construir uma empresa do nada.

Potencial é a palavra que define Girlboss. o show tem tudo para se tornar aquela comédia "prazer culposo" queridinha, mas, infelizmente, não consegue ser tão boa quanto a premissa. Apesar dos vinte e pouco minutos passarem rápidos, há claramente alguns episódios descartáveis, que chegam até a tornar a trama um pouco repetitiva. Sophia é intensa e egoísta, as outras personagens brigam com ela por isso, elas fazem as pazes, brigam de novo, fazem as pazes, e o ciclo continua. 
Há boas piadas e momentos engraçados, mas a trama poderia muito bem ser condensada em um filme, com tantos enxertos, fica a impressão de que se assistirmos ao piloto e os três episódios finais, poderíamos entender completamente tudo o que a história tem para contar.
Mas também há seus méritos, mesmo quando a trama é arrastada, a trilha sonora incrível e as referências pop conseguem fazer os olhos brilharem. A obra tem todo um ar Vintage, que combina com a marca Nasty Gal e a sua personagem principal. Aliás, Sophia é quem dita todo o programa, o que talvez não agrade a todos.
Ela não é uma figura heroica, como já dissemos anteriormente, é egoísta, além de roubar e ser grosseira, e ver uma mulher ser retratada dessa forma pode afugentar algumas pessoas.. O desenvolvimento da personagem é em como ela cria responsabilidades, não sobre como se torna uma pessoa melhor, e o que  pode ser um choque é: Sophia é real.
Importante: não digo que ela é real por ser baseada em uma pessoa real, afinal, a própria Netflix informa que muito daquilo é romantizado, ela é real porque tem defeitos e qualidades, e, bem quantos homens também inescrupulosos foram tratados como gênios e não como mimados? (Sim, essa é pra você Mark Zuckerberg, não gostou substitui por função stories)

Concluindo: Girlboss não é uma série com um desenvolvimento de enredo que faz jus a sua premissa, mas as boas musicas e as tiradas espertas valem o passatempo. No final, até rola uma vontade de ligar o som alto, usar uma jaqueta legal e dominar o mundo.
Nota: 7/10
Share on Google Plus

About Bruna Cagnin Fernandez

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário