O QUE ACHAMOS DE:: Fragmentado (Com spoilers + teorias)

Como apresentamos na nossa resenha sem spoilers, Fragmentado é o novo filme do M. Night Shyamalan, que traz James McAvoy no papel de Kevin, um homem que sofre com um transtorno que o dá múltiplas personalidades. Mas se vocs está aqui, provavelmente já sabe disso, afinal esse é o nosso texto com spoilers sobre o filme.

As 23 personalidades.
Precisamos falar de James McAvoy e de seu trabalho corporal. Sua atuação é primordial, e houveram duas cenas que me valorizaram isso. A primeira é em uma das conversas que ele tem com a Drª Fletcher, onde McAvoy não só tem o desafio de interpretar 23 personagens diferentes, como também precisa interpretar um personagem fingindo ser o outro. Nessa cena, Dennis finge ser Barry, a forma como McAvoy apresenta Barry aqui é mais caricata, afetada, mais voltado para o esteriótipos "cara que gosta de moda e deve ser gay". Diferente do Barry real que vemos depois, no vídeo e na cena de transformação, que tem muito mais sutileza em seus movimentos. Isso porque Dennis não é um ator, e ele está imitando a forma como ele vê a outra personalidade. A mesma coisa acontece quando Patricia está em cena, ela é uma parte que nasceu da visão que o Kevin tinha de uma mulher, e não de uma mulher de verdade.
A outra cena, mais obvia, é quando o desfecho se aproxima e todas as personalidades entram em conflito. Impossível não se impressionar com a mudança rápida de humor, voz, sotaque e expressão do ator.

A doutora  Fletcher.
Betty Buckley está ótima no papel, mas confesso que a sua personagem merecia um pouquinho mais de cuidado porque a oscilação de inteligência dela tira um pouco do brilho do filme. Por mais confiança que você tenha em seu paciente, se você desconfia que há algo de errado, realmente precisa ir até a casa dele, que fica praticamente no subsolo, sozinha, sem avisar ninguém e desarmada? Poxa vida, isso vindo de uma mulher que conseguia distinguir Kevin com apenas alguns segundos de observação fica meio difícil de comprar. O clichê do filme de suspense/terror do personagem que morre por burrice já não pega mais.

Casey e seu verdadeiro monstro.
A última cena de Casey, onde seus olhos se enchem de água quando o seu tio abusivo aparece para buscá-la foi o que mais me tocou. O final em aberto da policial olhando e percebendo o medo da menina é ótimo, e nos da a oportunidade de interpretar vários desfechos diferentes. Gosto de pensar que a policial percebeu o problema e salvou a menina, mas imagine se ela voltou para as garras de seu abusador. Imagine o quanto isso a liga ao Kevin e como seus históricos são parecidos. Imagine ainda, que ela começou a se fragmentar também depois do sequestro para suportar ter de voltar para casa. Imagine... Imagine... Finais assim são meus preferidos!
E se elogiamos tanto McAvoy, também devemos dar um enorme crédito para Anya Taylor-Joy e a forma como ela faz a sua personagem parecer mais segura dentro de um cativeiro do que fora.

Escravo do plot twist?
Todos esperam um plot twist de Shaymalan, e as vezes ficamos frustrados quando ele não nos pega de supetão. Aqui vou falar de quando a besta desiste de atacar Casey ao ver que a garota se auto-mutila. A 24º personalidade de Kevin, a Besta, assume o controle e poupa Casey de seu ataque quando percebe que a garota era abusada em casa. Ela seria pura porque havia sofrido as mesmas coisas que ele sofreu quando jovem, que o levou a desenvolver esse monstro que acredita que deve comer (literalmente) todos aqueles que são impuros, ou seja, todos aqueles que podem representar uma ameaça para as pessoas como ele. Lembra como as outras duas meninas eram populares na escola e vinham de uma boa família? Isso as tornava impuras porque ele as consideravas uma possível ameaça.
Agora, pessoalmente, gostaria que os flashbacks da Casey fossem um pouco menos expositivos para que nós tivéssemos mais impacto quando descobríssemos o passado dela. Duas cenas rápidas poderiam ser o suficiente, uma do pai falando sobre caça com a sua versão criança e outra com o funeral, porque, veja bem, descobriríamos os abusos no mesmo momento em que a Besta e aí essa informação teria muito mais peso. Já haviam várias dicas, o fato dela ir pra detenção pra não voltar para casa, ela dizer para a menina se urinar quando corria risco de ser estuprada e a cena final com, o pavor ao dizer que o tio está vindo, teria fechado com chave de ouro. Apesar de serem boas cenas, os flashbacks que deixam claro os abusos do tio poderiam ter ficado subentendidas. O que você acha? Faria sentido?

Universo compartilhado?
A cena final é referência direta ao personagem Mr. Glass do filme Corpo Fechado é o verdadeiro plot twist do filme. Prato cheio para os fãs! Em entrevista, o diretor já disse ter sequências planejadas para alguns de seus filmes. Conta pra gente o que você espera dessa possibilidade trilogia de super humanos!


Share on Google Plus

About Bruna Cagnin Fernandez

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário