O QUE ACHAMOS DE:: Estrelas além do tempo

Hidden Figures, ou Estrelas além do tempo como foi adaptado aqui para o Brasil, é um filme baseado na história real de três mulheres negras que trabalharam na NASA na época da corrida espacial. Katherine Johnson (Taraj P. Henson), Mary Jackson (Janelle Monáe) e Dorothy Vaughn (Octavia Spencer), o longa conta coma  direção de Theodore Melfi e foi um dos concorrentes no Oscar 2017.
Esse texto têm alguns spoilers leves, atenção para quando o aviso vier!

Com um ótimo elenco, e um roteiro cheio de ótimos diálogos, Estrelas além do tempo acerta ao nos apresentar as três mulheres protagonistas. A cena de abertura, onde a personagem de Octavia concerta o carro enquanto as três conversam é muito bem executada e já apresenta logo de cara o clima do filme. A história é comovente e cativante, e ganha ainda mais força por se baseada em fatos.
O filme se passa em 1960, época da segregação racial nos estados unidos, e é muito impactante ver os detalhes que constroem a época. Como todos sempre viram a cabeça para olhar quando uma das três entram em cena, seja nas cenas dentro da Nasa ou até quando as personagens estão na rua.
No entanto, o filme que tem uma proposta de trabalhar com racismo e machismo, se torna em certos pontos, covarde. Entenda, a premissa do filme é mostrar como essas mulheres negras conseguiram lidar com o preconceito durante a vida, mas em certos momentos o filme prefere dar mais enfoque no personagem de Kevin Costner, o chefe das garotas. Vou exemplificar descrevendo uma das cenas, ela não faz parte do final, mas se você se incomoda com spoilers talvez seja melhor voltar aqui depois de ver o filme. Pode ir, eu te espero!
Katherien Johnson, a personagem de Taraj P. Henson, precisa ir ao banheiro durante o trabalho, porém, ela precisa andar mais de quarenta minutos para chegar ao banheiro destinado a pessoas negras. Quando Al Harrison (Costner) descobre isso, ele decide quebrar as placas dos banheiros, dizendo  " Aqui na NASA, todos urinamos da mesma cor". Seria uma cena ótima, certo? Se ela fosse verdadeira. O diretor do filme, Melfi, afirmou que inventou essa cena para que o filem tivesse um momento de "herói branco". Na história real, Katherine simplesmente se recusava a ir até o banheiro que ficava no outro prédio, e foi até advertida algumas vezes por usar o de pessoas brancas. Agora, porque isso não foi adaptado para o cinema? Qual a necessidade de incluir um momento "herói branco" aqui?
Estrelas além do tempo tem muitas qualidades, mas a missão mais importante do filme era contar a história dessas figuras que ficaram escondidas por causa do preconceito, e nisso que seria a parte mais importante, ele não atinge todo o seu potencial. no final, tudo o que fica na boca é um gosto de "queria mais". Muita coisa poderia ser, mas infelizmente pouca foi.

Concluindo: A obra tem tudo para cativar a primeira vista, um bom elenco (com exeção de Jim Parsons, que parece que saiu correndo das gravações de The big bang theory e esqueceu que não deveria interpretar o Sheldon) no entanto, ele acaba se perdendo em seu próprio enredo e não faz juz a história que o inspirou.
Nota: 7/10


Share on Google Plus

About Bruna Cagnin Fernandez

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário