O QUE ACHAMOS DE :: A Lei Da Noite

Por: Daniele Baquette

Baseado em um livro com o mesmo nome e escrito por Dennis Lehane (autor de Ilha do Medo), “A Lei da Noite” é estrelado e dirigido por Ben Affleck e tem grandes nomes do cinema no elenco, como  Elle Fanning, Brendan Gleeson, Chris Messina, Sienna Miller, Zoe Saldana and Chris Cooper.

O filme conta a história de Joe Coughlin (Ben Affleck), um veterano da primeira guerra, que acaba entrando para a máfia durante a época da lei seca dos Estados Unidos na década de 1920. Ele é filho de um policial Thomas Coughlin (Brendan Gleeson) que se apaixona por Emma Gould (Sienna Miller), ela por sua vez é mulher de Albert White (Robert Glenister) ninguém menos que o chefe da gangue irlandesa de Boston. 

Joe Coughlin e Emma Gould vivem um romance as escondidas de Albert White, se encontrando e se divertindo somente durante as longas viagens dele. Mas como nada por ser mantido em segredo por muito tempo, alguém descobre esse romance. Esse alguém é nada menos que o rival de White, Maso Pescatore (Remo Girone) um mafioso italiano que tenta a qualquer custo chantagear Joe para matar White, mas ele se recusa. Então, junto com Emma, eles decidem fugir para a Califórnia. Para financiar a viagem e poderem ficar juntos, Joe comete um roubo de banco com seu sócio Dion Bartolo (Chris Messina) e aí está a melhor cena do filme, a perseguição dos carros da polícia atrás de Joe, no maior estilo bang bang, batidas e capotamentos onde te leva a pensar que o filme será ótimo, com boa trama e tudo mais, porém não se deixe enganar por isso.

A trama se perde em sua longa narrativa, tornando tudo muito cansativo. Por mais de duas horas o enredo perdura entre romances forçados, sem sentimentos, com nenhuma grande história que não te faça cochilar na sessão. Aliás, alguns personagens como a de Elle Fanning (Loretta Figgis) são bem pouco explorados. Um dos pontos que não torna o filme um total fracasso é a reconstituição da época. Os objetos da cena e principalmente o figurino nos faz reviver a década de 20.

Segundo a Veriety, o prejuízo do filme foi em torno de US$ 75 milhões de dólares (equivalente a 238,30 milhões de reais) para a Warner Bros, Lançado em dezembro nos EUA, o drama custou US$ 65 milhões, mas faturou apenas US$ 16,5 milhões pelo mundo – desse valor, US$ 6,5 milhões no mercado internacional. 

A história por muitas vezes deixa a desejar, ficando perdido em vários instantes. É monótono e bem longo, com um pouco mais de duas horas. Ben Affleck faz um papel onde você não vê emoção na atuação dele, nem mesmo em momentos cruciais do filme, o que te leva a ver que talvez ele precise de um tempo para criar novas ideias e assim, poder fazer o sucesso que ele tanto merece.

Nota: 4/10


Share on Google Plus

About Leonardo Marques

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

2 comentários :

  1. Nosssaaa que filme chato perdi totalmente a vontade de assistir esse filme,obrigado por ter me salvado do tédio rsrs

    ResponderExcluir
  2. A dane manda bem nas resenhas . Muito bom Dani, bom trabalho. ✨

    ResponderExcluir